Facebook Twitter More...

Conflitos Organizacionais: o que fazer, gerente? por Gestão de Conflitos

Não há duvida que o trabalho diário dos gerentes está intensamente baseado nas relações pessoais e na tranca de informações. No entanto, as relações pessoais também abrem a porta para possíveis diferenças e discórdias no ambiente de trabalho, causando dificuldades que afetam não somente o que as pessoas podem realizar no seu trabalho, mas também a sua satisfação.

Ocorre um conflito sempre que houver desacordos numa situação social com relação a questões importantes ou sempre que um antagonismo emocional cria um atrito entre pessoas e grupos. Sabe-se que a função gerencial gaste muito tempo lidando com conflitos. É o gerente que tem o papel de mediar os problemas de outras pessoas dentro da organização, fora aqueles que ele está diretamente envolvido. Em cada caso, ele precisa ser um participante habilidoso na dinâmica do conflito interpessoal e conseguir reconhecer as situações que tem um potencial de conflito e lidar com ela da melhor forma para atender os propósitos tanto da organização quanto das pessoas envolvidas.

Para melhor entender o processo de conflitos, tentar abordar seus níveis existentes:

A – Conflito Intropessoal: são conflitos que envolvem as pessoas isoladamente.

B – Conflito Interpessoal: ocorrem entre duas ou mais pessoas que estão em lados opostos.

C – Conflito Intergrupo: ocorrem em grupos ou nos grupos formados que também estão em lados opostos.

D – Conflito Interorganizacional: acontece entre empresas e é representado pela competição ou mercado.

Sabemos que os conflitos nas organizações são inevitáveis, mas o processo de administrar o conflito obtendo resultados construtivos em vez de destrutivos é evidentemente essencial para o sucesso organizacional. O papel do gerente mediante tais situações começa com um cuidadoso diagnóstico da situação específica de conflito. Saber se o conflito tem uma base vertical (conflitos entre níveis hierárquicos) ou base horizontal (conflitos entre pessoas do mesmo nível hierárquico) ajuda a resolver de uma forma eficaz os problemas. O conflito de base vertical normalmente envolve desacordos entre um supervisor e um subordinado quanto a recursos, mitos, prazos finais ou resultados de desempenho. Os conflitos de base horizontal ocorrem por meio de incompatibilidade de objetivos ou fatores puramente interpessoais. Detectado a base de conflitos o gerente deve reunir e orientar as pessoas envolvidas de como proceder de forma racional (seguindo uma política de tarefas fins da empresa pelo o uso da razão, abandonando o trabalho ou comportamento empírico usando emoções) reduzindo assim de imediato o conflito. Caso o gerente não tome essa atitude ele apenas estará adiando a redução do conflito, ajudando a desencadear futuramente outro conflito pior.

Dicas para solução de conflitos:

1- Identificar o nível do conflito. (Intropessoal, Interpessoal, Intergrupal ou Interorganizacional).
2- Para cada nível de conflito, o gerente deverá identificar os envolvidos e trabalhar na orientação de resultados voltados para objetivos organizacionais, jamais querendo apontar culpados e fatores que prejudicam o relacionamento.
3- Monitorar e mensurar os envolvidos nos conflitos a respeito das recomendações oferecidas na dica anterior.

Para finalizar, é importante destacar que a colaboração e a solução do problema podem não ser possíveis se a cultura dominante da empresa não resolver a cooperação, ou se a abertura e honestidade são considerados sinais de fraqueza. Neste tipo de ambiente, a tendência de usar a colaboração poder servir simplesmente para aumentar o nível de conflito.

Fonte: Artigonal – Ronaldo Bernardino Vieira| http://www.artigonal.com

Facebook Twitter More...

Discussões

Ainda não há comentários, você pode ser o primeiro.

Deixe um comentário